24 de maio de 2009

Eu enlouqueço



E naquela tarde me perguntou: Já viu cair a chuva?
Respondi com os olhos. Já vira, mas enxergara-a pela primeira vez. Olhei para o alto, o cabelo encharcado, sentindo os pingos que atrapalhavam um pouco a vista, mas sentia-me confortável. Uma vontade me invadia, vontade de dançar, de pular de poça em poça. Recordava-me meus tempos de infância, das brincadeiras e gaiatices em tardes chuvosas como essa. Outras lembranças varrem essas para longe. Lembranças de minhas loucuras, de cada vez que penso com saudade nos meus dias ao seu lado, e então eu enlouqueço. Esses dias não voltarão. Artimanhas do tempo que varre da mente a necessidade da lembrança, que me varre do seu calendário.
Fecho os olhos, na minha face forma-se um sorriso torto e tento sentir um beijo seu, molhado da chuva e das lágrimas que deixo cair, e então eu enlouqueço. E nessa vida mais louca que eu é quem diz que não sou feliz. Eu sou feliz.

2 comentários:

Anônimo disse...

"Quem puxa aos seus, não degenera"! Filhotinha de mamãe!!!! Está escrevendo muuuuuuuuuuito!Eu sabia que todo investimento feito teria um retorno garantido!!! AMO MUITO!!! Mamys

Taai Araújo disse...

Me maata de vergonha, mãe :D

OMG